Capa do livro A igreja vermelha, de Scott Nicholson

A Igreja Vermelha, Scott Nicholson

Capa do livro A igreja vermelha, de Scott Nicholson

Título: A Igreja Vermelha [The red church]

Autora: Scott Nicholson

Editora: Haunted Computer

Páginas:  276 p.

Ano: 2014 (1. ed. 2011)

Formato da leitura: digital

Resumo: Para Ronnie Day, de 13 anos, a vida é cheia de problemas: Papai e Mamãe se separaram, o irmão Tim é uma peste constante, Melanie Ward o ama ou o odeia, e Jesus Cristo não fica em seu coração. Além disso, ele tem que passar pela igreja vermelha todos os dias, onde o Monstro do Sino se esconde com suas asas e garras e fígado nos olhos. Mas o maior problema é que Archer McFall é o novo pregador da igreja, e Mamãe quer que Ronnie assista aos serviços da meia-noite com ela. O delegado Frank Littlefield odeia a igreja vermelha por um motivo diferente. Seu irmão menor morreu em um terrível acidente na igreja hávinte anos, e agora Frank começou a ver o fantasma do irmão. E o fantasma exige: “Liberte-me”. As pessoas estão morrendo wm Whispering Pines, e os assassinatos coincidem com o retorno de McFall. Os Day, os Littlefield e os McFall são descendentes das famílias originais que povoaram a comunidade rural das Apalaches. Essas família antigas compartilham um segredo de traição e culpa, e McFall quer que a congregação prove sua fé. Porque ele acredita que seja o Segundo Filho de Deus, e que a purificação dos pecados deve ser feita com sangue. – Sacrifício é a moeda de Deus – prega McFall, e, a não ser que Frank e Ronnie o detenham, todos pagarão.

Opinião: Comecei a ler depois que vi a resenha sobre no Biblioteca do Terror; eu ocasionalmente entro na vibe dos livros de terror (nunca vou entrar na dos filmes porque não consigo vê-los…).

A trama é bem o que descreve o resumo acima – cidadezinha pequena, de interior, famílias tradicionais na região, lendas antigas que toda cidade desse tipo tem… e o terror que se instala na cidadezinha com o retorno de um de seus antigos habitantes.

Eu sempre gosto de livros que tocam na ferida das religiões extremistas, únicas salvadoras (como o Vivian contra o apocalipse, YA com uma pegada político-religiosa bem forte), pessoas cegas com a religião que tem e a Igreja que frequentam. Mas o diferencial desse livro é que não é a Igreja aqui é um tanto diferente; parte da premissa que Deus enviou mais de um filho; que eles se invejavam entre si; e que só um ficou famoso. É mole ou quer mais?

As personagens são ok; o Ronnie, verdade seja dita, não parece ter 13 anos – dou no máximo 10, e olhe lá. A mãe do Ronnie me irrita profundamente (mas acho que esse é o papel dela), a mãe de Archie é uma matrona cega de amor pelo filho prodígio que tem uma surpresa, e o próprio Archie é a incógnita que só é resolvida ao final. Final que gostei muito, por sinal 🙂 O xerife da cidade, fio que junto com o de Ronnie, liga e segue, ponto de vista por onde acompanhamos a história, é meio…chato, acho. Mas sua história é bem contada, e sua trama é útil.

Entre o suspense e o terror, a sensação da leitura me lembrou a escrita do Seltzer (A Profecia): parece uma construção lenta, mas o ritmo é constante, e se torna mais rápido ao final – não porque realmente SEJA mais rápido, mas você lê correndo para saber como termina, rsrs
Gostei, ó!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s