Comentários (resenha) sobre o livro Pequeno Manual Antirracista, Djamila Ribeiro

Pequeno Manual Antirracista, Djamila Ribeiro

Capa do livro Pequeno Manual AntirracistaTítulo: Pequeno manual antirracista

Autora: Djamila Ribeiro

Editora: Companhia das Letras

Páginas: 135 p.

Ano: 2019

Formato da leitura: Livro físico

Sinopse: Dez lições breves para entender as origens do racismo e como combatê-lo. Neste pequeno manual, a filósofa e ativista Djamila Ribeiro trata de temas como atualidade do racismo, negritude, branquitude, violência racial, cultura, desejos e afetos. Em dez capítulos curtos e contundentes, a autora apresenta caminhos de reflexão para aqueles que queiram aprofundar sua percepção sobre discriminações racistas estruturais e assumir a responsabilidade pela transformação do estado das coisas. Já há muitos anos se solidifica a percepção de que o racismo está arraigado em nossa sociedade, criando desigualdades e abismos sociais: trata-se de um sistema de opressão que nega direitos, e não um simples ato de vontade de um sujeito. Reconhecer as raízes e o impacto do racismo pode ser paralisante. Afinal, como enfrentar um monstro desse tamanho? Djamila Ribeiro argumenta que a prática antirracista é urgente e se dá nas atitudes mais cotidianas. E mais ainda: é uma luta de todas e todos.

Opinião: A sinopse já disse tudo, não?

Na nossa sociedade não estamos acostumados a assumir os preconceitos (“não existe racismo no Brasil”, disse a Barbie Operária). Normal ouvir “ah, mas eu tenho amigos pretos” ou “esse negócio de cota tirou minha vaga”. Porque? Porque é normal ouvirmos essa frase? Porque é normal nossos jornais trazerem “traficante” para jovens negros e pardos e “usuário”, “estudante que vendia drogas” ou outros atenuantes quando o jovem é branco?

Se você faz parte da pequena parcela populacional que já percebeu isso, parabéns. Mas só saber não é o suficiente (“Não basta não ser racista, precisamos ser antirracistas”, diz a maravilhosa Angela Davis). O que você está fazendo para mudar isso? Para melhorar a situação dos negros em nossa sociedade? E muitas vezes não estamos falando de se candidatar a um cargo político (mas pode, viu?), e sim de atitudes menores, de desconstrução e reconstrução do ideario social.

Mesmo que uma pessoa pudesse se afirmar como não racista (o que é difícil, ou mesmo impossível, já que se trata de uma estrutura social enraizada), isso não seria suficiente – a inação contribui para perpetuar a opressão. (p.14)

Para ajudar nessa dúvida, Djamila escreve um pequeno compêndio de atitudes que podem colaborar nessa prática. Essencialmente baseada em dois pontos – ao menos os que mais me saltaram aos olhos: a) a discriminação vem de um sistema social estrutural, e por isso muitas vezes se torna imperceptível e/ou naturalizado; e b) precisamos nos responsabilizar pessoalmente por identificar e dirimir o preconceito social do nosso dia a dia – e eles aparece em atos, pensamentos, impulsos, palavras.

Ela coloca dez pontos a serem observados para nos ajudar a enxergar nossos preconceitos, muitas vezes escondidos pela capa da “normalização” social. Aqui vou elencá-los – mas, por favor, leiam o texto se puderem, pois as explicações dela sobre cada ponto é excelente (simples, clara, com gatilhos para nos levar à ação)

Informe-se sobre o racismo; enxergue a negritude; reconheça os privilégios da branquitude; perceba o racismo internalizado em você; apoie políticas educacionais afirmativas; transforme seu ambiente de trabalho; leia autores negros; questione a cultura que você consome; conheça seus desejos e afetos; combata a violência racial

Cada capítulo traz esclarecimentos sobre os principais conceitos levantados, como agir sobre essas atitudes, o quão importantes elas são para nosso desenvolvimento como pessoas e sociedade.

Leiam de cabeça aberta. É realmente muito difícil assumir que as atitudes que tomamos ou as ideias que temos (e que são moldadas pela nossa cultura e formação social) são tão conspurcadas (êta, palavra que acho bonita, apesar do significado, rsrs), e necessitam de reparação quando, enfim, conseguimos nos livrar e pensar por nós mesmos. Mas vamos juntos, que só assim para construirmos uma comunidade inclusiva para todes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s